terça-feira, 29 de maio de 2012

Bebê e gatos, pode?

Infelizmente a desinformação faz com que muitas mães ao ficarem grávidas resolvam se desfazer dos seus gatos para não prejudicar o bebê.

Acham que o animal pode ter uma reação agressiva com o bebê ou que os pelos do gato possam fazer um mal terrível para o neném. Como vocês podem ver no vídeo, o convívio é totalmente viável. 


Fonte: Gatos News

Veja o que diz Conselho Regional de Medicina Veterinária do Paraná:
“… A possibilidade de transmissão para seres humanos pelo simples ato de tocar ou acariciar um gato, ou até mesmo através de arranhões e mordidas, é considerada mínima ou inexistente. Ou seja, não se previne toxoplasmose congênita eliminando o gato uma mulher grávida, mas sim com cuidados higiênicos adequados na ingestão dos alimentos e com bons hábitos de higiene pessoal.


O uso de luvas e pazinha para a coleta diária das fezes dos gatos, a adequada lavagem das caixas de areia e das mãos são medidas simples, suficientemente eficazes para não se entrar em contato com o agente da toxoplasmose, uma vez que os oocistos, quando eliminados pelas fezes, necessitam de dois a cinco dias para esporular e se tornar infectantes, e permanecerem como tal por períodos de anos…”


Veja o caso da Kaori e o Chico no Gato sem Foco.

O Blog Tudo de Gato traz uma matéria super bem explicada sobre o convívio de seu gatinho com o novo integrante da família, o bebê. Dá uma olhadinha: Tudo Gato - Gatos e Bebês - Parte 2

Há inúmeros mitos envolvendo a relação dos bebês com os felinos e vamos desmenti-los aqui:

- Qualquer doença que o gato venha ocasionar para os bebês e crianças, podem ocorrer nos adultos. Portanto, desmitifiquemos de início o "faz mal às crianças". Se faz mal à elas, faz à adultos também. O fator principal para o favorecimento de enfermidade em decorrência da "presença" do felino em sua casa é a higiene humana e predisposição imunológica humana.

Ou seja, caso a criança, o adulto ou o idoso tenha predisposição à asma, à alergia em decorrência à saliva do gato em seus pelos ou à qualquer coisa em relação ao gato, aí sim ele poderá a vir apresentar alguma enfermidade. Caso contrário o gato não trará mal algum.

Portanto, antes de adotar seja gato, seja cachorro, seja periquito, consulte um médico para checar sua predisposição alérgica.

2º TOXOPLASMOSE: Estritamente ligado com a sua higiene.
Se você tem o costume de pegar na caixa de areia de seu gato e não lavar as mãos, sinto-lhe dizer: Há grandes chances de você se contaminar (caso seu gato esteja infectado).

Portanto é uma questão de higiene. Lave as mãos depois de mexer nas fezes de seu animal e você não terá problemas maiores, simples, não?

3º ASMA, RINITE, ALERGIAS:
A crise de rinite, assim como a asma e qualquer outra relacionada com o sistema respiratório em si, não é desencadeada pelo gato. E sim por ácaros que podem estar nos pelos do felino. Assim como podem estar na poeira por toda a casa, em suas roupas, lençóis e etc.

Mais uma vez vem a questão de higiene.

4º GATO PRETO DÁ AZAR
Azar é do gato em cruzar com um ser humano tão preconceituoso.

5º GATO É TRAIÇOEIRO
Gato não é de pelúcia! Se ele não gosta que um estranho o pegue no colo, ou pior, se alguém fica testando a paciência dele através de “brincadeiras” de mau-gosto, é certo que ele irá se manifestar. Sua tolerância é menor que a do cachorro, por exemplo. E essa manifestação não amigável é encarada como agressão gratuita. Muitas vezes o “brincar” e o “carinho” deles vêm acompanhados de mordidas e arranhões. Assim eles procedem com seus iguais.

No entanto, há muitos gatos dengosos procurando por um lar. Procure um abrigo (em Campo Grande, tem as feiras de adoção do Abrigo dos Bichos) ou o CCZ de sua cidade.

6º GATO NÃO É CARINHOSO
Uns são mais, outros menos chegados a manifestações humanas de carinho. Mas eles são muito carinhosos, sim. Até exibicionistas quando querem uma coçadinha na barriga ou atrás da orelha. E retribuem ronronando, se esfregando (para deixar seu cheiro que marca sua propriedade), e diria até, sorrindo. Quem convive com um gato sabe do que estou falando. Eles nos esperam chegar e nos dão carinho gratuito. Claro, o “amor” deles aumenta bastante no inverno. Mas isso serve para as outras espécies também.

Enfim, poderíamos ficar o dia todo desmentindo esses mitos sobre os gatos, mas para sermos sucintos:
Gato é tudo de bom.

Veja mais:
Rua Direita - Doenças Transmitidas pelos gatos

Thályna Zuiewsky com seu amado gato, o House.






0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favorites More